Apresentação do projeto dos Recursos Artísticos do Alentejo à Rede de Museus do Distrito de Beja

A convite de Marisa Bacalhau, Diretora do Museu Municipal de Moura, apresentamos o projecto dos Recursos Artísticos do Alentejo aos representantes dos museus integrantes da Rede de Museus do Distrito de Beja, que se reuniram no dia 6 de novembro de 2013, em Alvito.

RedeMuseusBeja
O projecto de inventário dos Recursos Artísticos do Alentejo despertou interesse dos participantes e, desde já, contamos com a colaboração dos participantes da Rede de Museus do Distrito de Beja quanto ao fornecimento de informações e divulgação dos recursos artísticos de seus municípios.
A criação e as atividades da Rede de Museus do Distrito de Beja, alem de exemplares, merecem todo o nosso apoio. Criada em 2012, a rede reúne funcionários e diretores dos museus municipais e distritais do distrito de Beja. Mais informações em: http://redemuseusbeja.blogspot.pt
A maioria dos municípios do Distrito de Beja possui unidades museológicas, integradas na estrutura organizacional camarária, caracterizadas por uma interessante diversidade temática e museográfica, e com características semelhantes no que se relaciona com a gestão e os recursos aos mais diversos níveis.
A necessidade sentida por estes Museus de troca de experiências e de formação dos seus funcionários, bem como de criação de um fórum de discussão que, para além do debate de ideias, permita o assumir de posições a uma só voz, levou a que fosse criada a Rede de Museus do Distrito de Beja, uma rede informal que se rege por uma Carta de Princípios, aprovada pelos municípios aderentes de Almodôvar, Aljustrel, Alvito, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Ourique, Serpa, Vidigueira e ainda o Museu Regional de Beja.
A Carta de Princípios tem como principais objectivos a qualificação, valorização e divulgação das unidades museológicas deste distrito; a cooperação, parceria e articulação entre as unidades museológicas dos concelhos que integrem a Rede; a optimização e rentabilização de recursos, principalmente em termos de meios humanos e da realização de projectos comuns; a difusão da informação relativa aos museus da Rede e a promoção do rigor, ética e profissionalismo das práticas museológicas.