About pedro

Pedro Lobo estudou na School of the Museum of Fine Arts, Boston e no International Center of Photography (ICP), em Nova Iorque. Entre 1978 e 1985 foi fotografo/investigador do Centro Nacional de Referência Cultural (CNRC com Aloísio Magalhães e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) onde foi o responsável pela documentação fotográfica para os processos de inclusão na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO das cidades de Olinda, Ouro Preto, Salvador, Santuário do Bom Jesus doe Matosinhos e São Miguel das Missões. Em suas séries fotográficas,nas favelas cariocas – “Arquitetura de Sobrevivência” – nas prisões de Carandiru e Medellin – “Espaços Aprisionados” – utiliza a fotografia de arquitetura como meio de retratar a condição humana. Tem exposto regularmente seu trabalho, em individuais ou em colectivas, no Brasi, em Portugal, nos Estados Unidos, na Dinamarca, na Alemanha, na China e na Colômbia. Sua obra figura em diversas coleções públicas e particulares. Recebeu o V prêmio Marc Ferrez, as bolsas CAPES-Fulbright e a Vitae de Fotografia. Atualmente reside em Évora, Portugal, trabalhando na Europa e no Brasil.

Antonio Carrapato no Museu de Évora

Amanhã, 17 de dezembro de 2015 às 15:00 hs.

image002

1013 Anos

Um museu é intemporal, uma pessoa é intemporal, dilo António Carrapato em resposta ao convite para realizar uma exposição nas Comemorações dos 100 Anos do

Museu de Évora.

O fotógrafo quis casar o museu centenário com outros centenários de Évora e procurou no distrito pessoas com mais de 100 anos, encontrou 10 e somou as suas

idades: 1013 Anos.

Nove mulheres e um homem, num pano branco, apoiados por uma cadeira, sustentam a idade, ostentam a intemporalidade. A mais velha de todos tem 103 anos.

O humor e o humano distinguem as imagens de Antonio Carrapato, Deste trabalho realça a maior proporção de mulheres que sobrevivem ao

tempo, em relação aos homens, e o facto de nenhum dos fotografados ter estado antes no Museu de Évora.

Antonieta Félix

Dezembro de 2015

Contamos com a vossa participação activa.

Inscrições abertas 2015/2016

Tipografia Lusitânia

Pedimos a colaboração de todos os interessados – dos serviços dos municípios, a fornecedores de serviços/empresas nas áreas culturais (som e luz, por exemplo) artistas, artesãos, galerias, museus, centros culturais – dispostos a colaborar com projectos artísticos no Alentejo para enviarem e/ou inscreverem quaisquer acréscimos, mudanças e correcções, através dos seguintes contactos:

– endereço electrónico http://www.artealentejo.org/db_signup/

– por correio electrónico pedro@artealentejo.org.

Contamos com a vossa participação activa.

Não deixe de se inscrever e recomendar a interessados!

P1060518

Pedimos a colaboração de todos os interessados – dos serviços dos municípios, a fornecedores de serviços/empresas nas áreas culturais (som e luz, por exemplo) artistas, artesãos, galerias, museus, centros culturais – dispostos a colaborar com projectos artísticos no Alentejo para enviarem e/ou inscreverem quaisquer acréscimos, mudanças e correcções, através dos seguintes contactos:

– endereço electrónico http://www.artealentejo.org/db_signup/

– por correio electrónico pedro@artealentejo.org.

Contamos com a vossa participação activa.

Novas inscrições

IMG_1298

Passado um ano desde a publicação dos Recursos Artísticos do Alentejo temos tido um resultado razoável de visualizações no Facebook, mais de 500. Porém, as inscrições na base de dados do site www.artealentejo.org estão paradas.

Acreditámos que a publicação iria incentivar as inscrições de expositores, fornecedores, artistas e artesãos dispostos a colaborar com projectos artísticos no Alentejo, o que não se confirmou.

Como em qualquer base de dados ou plataforma, é imperioso que exista constante actualização, uma vez que os iniciais reflectem os resultados que obtivémos dos contactos reunidos durante a investigação, até Abril de 2014, para fins da publicação.

Pedimos desculpa aos possíveis participantes, privados ou autárquicos, que assumiram que as inscrições no projecto estariam encerradas. A informação da publicação era transparente assumindo que aquela seria uma fase inicial, contudo, a mensagem não passou claramente a informação pretendida: que a base de dados, o site e a página do Facebook continuariam disponíveis.

Apesar dos erros cometidos, temos a certeza que o projecto dos Recursos Artísticos do Alentejo, e as informações pelo mesmo disponibilizadas, são úteis e pertinentes a qualquer indivíduo ou colectivo – estrangeiro ou nacional – que venha a realizar projetos de expressão artística visual em território Alentejano.

O que queremos, com a colaboração da DRCAlentejo e do público em geral, é retomar o esforço de aumentar as inscrições e ampliar a base de dados com uma campanha no nosso site (http://www.artealentejo.org/db_signup/) e na página do Facebook (https://www.facebook.com/ArteAlentejo/?ref=hl).

Assim, reiteramos, que as inscrições e a base de dados dos Recursos Artísticos do Alentejo  continuarão abertas e disponíveis durante todo o ano de 2016.

Pedimos a colaboração de todos os interessados – dos serviços dos municípios, a fornecedores de serviços/empresas nas áreas culturais (som e luz, por exemplo) artistas, artesãos, galerias, museus, centros culturais – dispostos a colaborar com projectos artísticos no Alentejo para enviarem e/ou inscreverem quaisquer acréscimos, mudanças e correcções, através dos seguintes contactos:

– endereço electrónico http://www.artealentejo.org/db_signup/

– por correio electrónico pedro@artealentejo.org.

Contamos com a vossa participação activa.

É hoje!

Hoje, dia 11 de Dezembro, quinta-feira, a Direcção Regional da Cultura do Alentejo e a Categoria à Parte, fazem o lançamento do Guia-Roteiro dos Recursos Artísticos do AlentejoÁs 18h, na Galeria da Casa Nobre de Burgos convidamos a todos os interessados a assistir, na certeza que esta edição constitui uma útil ferramenta de divulgação para o território cultural da região Alentejo.

Capa_RecArt_divulgacao

Agradecimentos

O guia dos Recursos Artísitcos do Alentejo gostaria de agradecer a:

Drª Aurora Carapinha (que acreditou no projecto), Drª Ana Paula Amendoeira (que insistiu no mesmo), Helena Rocha (que nos ajudou em todo o percurso), Hugo Guerreiro (que nos ajudou a pensar), Margarida Lagarto, João Cutileiro, Isabel Cardoso (apoio incondicional), Marjocke Krom, José Manuel Rodrigues, Elisabeth e Rui Pimentel, Paulo Nuno Silva, Rui Belo, Tiago Fróis, Amândio Anastácio, Susana Malhão, Ana Cardoso de Matos, Antonia Conde, Paulo Simões Rodrigues, Susana Piteira, António Carrapato, António Luís, Vitor Estudante (auxílio luxuoso), João José Bica, Margarida Araujo, Elza Ferreira Neto, Carla Pestana, Marisa Bacalhau, Manuela Pires da Fonseca, Alexandre Pomar, Catarina Lobo de Vasconcellos, José Carlos Oliveira, Maria Pires, Tiago Guimarães, Patrícia Telles (imprescindível), todos que por acaso esqueci de mencionar, todos os que se inscreveram no site www.artealentejo.org e as corajosas e corajosos que trabalham em arte no Alentejo.

Apresentação dos Recursos Artísticos do Alentejo – Drª Ana Paula Amendoeira (DRCAlentejo)

O inventário dos Recursos Artísticos do Alentejo, iniciativa conjunta da Direção Regional de Cultura do Alentejo, do GEPAC – Gabinete de Estratégia, Planeamento e Avaliação Culturais – e da Categoria à Parte, nasce da vontade de suprir as dificuldades que muitos criadores e artistas nacionais e internacionais enfrentam quando procuram alguns dos recursos necessários à sua atividade em regiões que não as da sua origem.

O Alentejo reúne características – climáticas, recursos materiais e humanos e infraestruturas – excecionais para o desenvolvimento de atividades artísticas. Por isso acreditamos que é necessário dar a conhecer um conjunto de entidades, empresas e particulares e as suas qualidades, com o intuito de atrair e estabelecer artistas plásticos, colecionadores, curadores, galeristas, estudantes, críticos e investigadores que venham a desenvolver atividades na região.

Depois de uma primeira etapa, entre 2013 e Maio de 2014,  na realização de inventário abrangente e amplo dos recursos e estruturas pertinentes às Artes Plásticas e a outras áreas artísticas e criativas afins, encontram-se disponíveis online os resultados iniciais –  listagens com descrição, informações, contactos e observações de empresas e profissionais.

Assim, a actual edição impressa  poderá ser entendida como um cartão de visita, um Guia-Roteiro dos Recursos Artísticos do Alentejo que não se esgota, evidentemente, no conteúdo que apresentamos. É editado para estabelecer um marco e levantar este “mapa” de profissionais e criadores – com valor acrescentado nas áreas cultural, criativa e arística. E esperamos que muitos outros venham a ser integrados na plataforma online.

Deixo o nosso agradecimento à Professora Doutora Aurora Carapinha, anterior Directora Regional de Cultura, pela iniciaitva e investimento neste Projecto, e à equipa que nele trabalhou, na certeza que de constitui uma útil ferramenta de divulgação para o território cultural da região Alentejo.

Ana Paula Amendoeira

Directora Regional de Cultura do Alentejo

Évora, outubro de 2014.

Introdução ao guia dos Recursos Artísticos do Alentejo

Os profissionais e instituições a seguir encontram-se listados por ordem alfabética, primeiro da sua actividade principal, depois da cidade ou vila onde residem.

A seguir a cada nome, encontra-se a morada ou o contacto que nos forneceram (telefone, telemóvel ou email) – e sempre que possível, um website com maiores informações.

Após estes dados, enumeramos as línguas estrangeiras faladas por cada artesão, artista ou membro de uma determinada associação.

Como diversos profissionais exercem diferentes actividades, elaboramos uma série de “palavras-chave” – estas não apenas englobam campos de trabalho, mas também incluem os principais materiais empregados pelo artesão. Os pequenos textos explicativos que acompanham alguns verbetes são da autoria dos próprios profissionais e de sua inteira responsabilidade. As palavras-chave facilitam a pesquisa em nosso website:

www.artealentejo.org

Como qualquer guia, este precisa de constante actualização, pois reflecte apenas os dados colectados durante a investigação (até Abril de 2014). Pedimos a sua colaboração para quaisquer mudanças e correcções, que podem ser enviadas através do website acima nomeado.

Obrigado!

Patricia Telles e Pedro Lobo

Categoria à Parte Lda.

Apresentação do projeto dos Recursos Artísticos do Alentejo à Rede de Museus do Distrito de Beja

A convite de Marisa Bacalhau, Diretora do Museu Municipal de Moura, apresentamos o projecto dos Recursos Artísticos do Alentejo aos representantes dos museus integrantes da Rede de Museus do Distrito de Beja, que se reuniram no dia 6 de novembro de 2013, em Alvito.

RedeMuseusBeja
O projecto de inventário dos Recursos Artísticos do Alentejo despertou interesse dos participantes e, desde já, contamos com a colaboração dos participantes da Rede de Museus do Distrito de Beja quanto ao fornecimento de informações e divulgação dos recursos artísticos de seus municípios.
A criação e as atividades da Rede de Museus do Distrito de Beja, alem de exemplares, merecem todo o nosso apoio. Criada em 2012, a rede reúne funcionários e diretores dos museus municipais e distritais do distrito de Beja. Mais informações em: http://redemuseusbeja.blogspot.pt
A maioria dos municípios do Distrito de Beja possui unidades museológicas, integradas na estrutura organizacional camarária, caracterizadas por uma interessante diversidade temática e museográfica, e com características semelhantes no que se relaciona com a gestão e os recursos aos mais diversos níveis.
A necessidade sentida por estes Museus de troca de experiências e de formação dos seus funcionários, bem como de criação de um fórum de discussão que, para além do debate de ideias, permita o assumir de posições a uma só voz, levou a que fosse criada a Rede de Museus do Distrito de Beja, uma rede informal que se rege por uma Carta de Princípios, aprovada pelos municípios aderentes de Almodôvar, Aljustrel, Alvito, Beja, Castro Verde, Cuba, Ferreira do Alentejo, Mértola, Moura, Ourique, Serpa, Vidigueira e ainda o Museu Regional de Beja.
A Carta de Princípios tem como principais objectivos a qualificação, valorização e divulgação das unidades museológicas deste distrito; a cooperação, parceria e articulação entre as unidades museológicas dos concelhos que integrem a Rede; a optimização e rentabilização de recursos, principalmente em termos de meios humanos e da realização de projectos comuns; a difusão da informação relativa aos museus da Rede e a promoção do rigor, ética e profissionalismo das práticas museológicas.