Introdução ao guia dos Recursos Artísticos do Alentejo

Os profissionais e instituições a seguir encontram-se listados por ordem alfabética, primeiro da sua actividade principal, depois da cidade ou vila onde residem.

A seguir a cada nome, encontra-se a morada ou o contacto que nos forneceram (telefone, telemóvel ou email) – e sempre que possível, um website com maiores informações.

Após estes dados, enumeramos as línguas estrangeiras faladas por cada artesão, artista ou membro de uma determinada associação.

Como diversos profissionais exercem diferentes actividades, elaboramos uma série de “palavras-chave” – estas não apenas englobam campos de trabalho, mas também incluem os principais materiais empregados pelo artesão. Os pequenos textos explicativos que acompanham alguns verbetes são da autoria dos próprios profissionais e de sua inteira responsabilidade. As palavras-chave facilitam a pesquisa em nosso website:

www.artealentejo.org

Como qualquer guia, este precisa de constante actualização, pois reflecte apenas os dados colectados durante a investigação (até Abril de 2014). Pedimos a sua colaboração para quaisquer mudanças e correcções, que podem ser enviadas através do website acima nomeado.

Obrigado!

Patricia Telles e Pedro Lobo

Categoria à Parte Lda.

This entry was posted in informação útil by pedro. Bookmark the permalink.

About pedro

Pedro Lobo estudou na School of the Museum of Fine Arts, Boston e no International Center of Photography (ICP), em Nova Iorque. Entre 1978 e 1985 foi fotografo/investigador do Centro Nacional de Referência Cultural (CNRC com Aloísio Magalhães e do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN) onde foi o responsável pela documentação fotográfica para os processos de inclusão na lista do Patrimônio Mundial da UNESCO das cidades de Olinda, Ouro Preto, Salvador, Santuário do Bom Jesus doe Matosinhos e São Miguel das Missões. Em suas séries fotográficas,nas favelas cariocas – “Arquitetura de Sobrevivência” – nas prisões de Carandiru e Medellin – “Espaços Aprisionados” – utiliza a fotografia de arquitetura como meio de retratar a condição humana. Tem exposto regularmente seu trabalho, em individuais ou em colectivas, no Brasi, em Portugal, nos Estados Unidos, na Dinamarca, na Alemanha, na China e na Colômbia. Sua obra figura em diversas coleções públicas e particulares. Recebeu o V prêmio Marc Ferrez, as bolsas CAPES-Fulbright e a Vitae de Fotografia. Atualmente reside em Évora, Portugal, trabalhando na Europa e no Brasil.

Leave a Reply

Connect with:

Your email address will not be published. Required fields are marked *

Current day month ye@r *